Antidepressivos Patos, Paraíba

Antidepressivos em Patos. Encontre telefones, endereços e informações sobre Antidepressivos em Patos e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Antidepressivos.

Luiza Betanea Mendes de Souza Medeiros
(83) 3421-3836
R. Pedro Firmino 244
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Geraldo Gomes de Carvalho
(83) 421-3314
R. Peregrino Filho 89
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Suely Carmem Araujo Cartaxo
(83) 421-3406
R. Pedro Firmino 205
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Otoni Jose de Medeiros
(83) 421-3827
R.Doutor Pedro Firmino 256
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia Lenita Faissal
(83) 3226-5581
Rua Marcionila da Conceição 1360 s 210
João Pessoa, Paraíba
 
Miguel Arcanjo N. Rodrigues
833-4213
R Darcilio Wanderley 135
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Wellington Onias Alves
(83) 421-5405
R. Bossuet Wanderlay 326
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jorge Firmino Alves
(83) 3421-3827
Av.Pedro Firmino 256
Patos, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Nadja Lacerda Cunha Lima
(83) 3247-6055
Rua Nossa Senhora dos Navegantes 132
João Pessoa, Paraíba
 
Ana Lins Bezerra
(83) 3241-4717
Avenida Almirante Barroso 438 sl 207
João Pessoa, Paraíba
 
Dados Divulgados por

Depressão leve também pode ser tratada com antidepressivos

Imagem: (Foto Divulgação)De acordo com uma nova pesquisa americana, indivíduos com depressão leve, isto é, com sintomas menos acentuados da doença, também podem se beneficiar com o uso de medicamentos. O estudo divulgado na última sexta-feira, contrapõe a pesquisas anteriores que haviam descoberto consequencias positivas desses remédios apenas em pacientes com quadros de depressões intensas.“Atualmente existe uma concepção válida de que, se uma pessoa não tem um quadro de depressão tão grave e que não dura tanto tempo, ela pode melhorar sozinha ou somente com terapias”, afirma David Hellerstein, médico da Universidade de Columbia e um dos autores do estudo. Para ele, no entanto, a resolução dos profissionais de prescrever ou não antidepressivos não deve se fundamentar precisamente no nível do problema, mas sim na persistência dos sintomas.“Pacientes que conseguem melhorar, após algumas semanas, com mudança na dieta ou praticando atividades físicas não precisam dos medicamentos”, disse o médico à agência Reuters. “Porém aqueles com depressão mais persistente devem ser avaliados e os antidepressivos podem ser uma boa opção, mesmo para sintomas moderados da doença.”Foram coletados informações de seis pesquisas distintas realizadas entre os anos de 1985 e 2000. No total, esses estudos avaliaram as características de 825 indivíduos com depressão moderada e duradoura. Em 50% dos casos, os pacientes que tomaram a medicação tiveram um melhoramento nos sintomas do que aqueles que receberam placebo.“Esse resultado é suficiente para os profissionais cogitarem recomendar esse tratamento”, afirma o estudo. No entanto, alguns cientistas destacam que isso não quer dizer que todos os indivíduos com depressão devem receber antidepressivos, já que os pacientes com esse transtorno costumam responder bem a psicoterapias. Além disso, os remédios podem acarretar implicações para o organismo.