Bullying Caxias do Sul, Rio Grande do Sul

Bullying em Caxias do Sul. Encontre telefones, endereços e informações sobre Bullying em Caxias do Sul e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Bullying.

Otelmo Eggers
(54) 3214-5244
Avenida Júlio de Castilhos 1511 s 88
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Evelize Perottoni
(54) 3268-2933
Rua Júlio de Castilhos 940 s 701
Farroupilha, Rio Grande do Sul
 
Analiz Carmem Zoppas
(54) 3223-0984
Rua Pinheiro Machado 2659 s 601
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Catia Deon Dall'agno
(54) 3223-5929
Rua das Gardênias 500
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Ivanir Antonio da Cas
(54) 3222-2133
Rua Lourenço Menegaz 353
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Anilda Santa Helena Wiehe
(51) 3714-2691
Avenida Benjamin Constant 1058 s 404
Lajeado, Rio Grande do Sul
 
Paula Elisa Mattana
(54) 3202-1158
Rua Pinheiro Machado 2076 s 801
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Janete Schaefer Rossi
(54) 3223-2231
Rua Pinheiro Machado 2321 s 43
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Elisabeth Cirtoli
(54) 3223-8626
Rua Borges de Medeiros 920 s 81
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 
Gabriela Wisintainer Cavinatto
(54) 3223-0922
Rua Borges de Medeiros 586 s 504
Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 

Os principais sintomas do bullying

SINTOMAS DE BULLYINGA violência escolar sempre existiu, no entanto, o nome “bullying” foi dado na década de 80, quando esse fenômeno começou a ser estudado.Bullying é uma derivação de “Bully”, palavra inglesa que significa “valentão, agressor”. Não havendo ainda uma expressão em português que substituísse melhor o termo estrangeiro, este se consagrou para definir toda violência que ocorre no território escolar. Mas, não é todo o tipo de agressão que leva esse nome. Para ser bullying, a violência precisa:Ocorrer na escola;Ser repetitiva;Ser intencional – o agressor sabe que está, de alguma forma, abalando emocionalmente a vítima;Deve haver um desnível de poder, ou seja, o agressor deve sempre estar em vantagem física ou numérica sobre a vítima.No Brasil, o bullying passou a ser conhecido muito recentemente, após campanha nos diversos meios de comunicação, mas ainda há dúvidas sobre o assunto.Vivemos em uma sociedade que, a busca pelo prazer imediato, forma crianças e adolescentes sem limites, que não se importam com as consequências dos seus atos, para serem popular e se darem bem, essa é a principal causa do bullying.Alguns sintomas podem sugerir quando se é uma vitima dessa agressão.Diarreia, vômito, náusea ou insônia, que melhora no final de semana e se exacerba quando a criança está próxima de ir para a escola, como no domingo à noite, ou na hora do almoço – se a criança estuda à tarde; A permanência constante na enfermaria da escola;A permanência constante entre os adultos, numa tentativa de se proteger;A falta de colegas da mesma idade; a criança não será convidada para frequentar a casa de amigos ou ir a festas de aniversário.A longo prazo, os danos podem ser extremos como depressão, pânico, fobia social e escolar etc.Dificilmente as vítimas do bullying falam sobre as agressões sofridas, em ambiente escolar. Alguns motivos que os levam a sofrerem calados são:O agressor sempre intimida, e a vítima não tem capacidade de distinguir entre as ameaças reais e as fantasiosas, como por exemplo, ter a mãe sequestrada pelo agressor – uma criança sequestrando um adulto? Isso não é lógico;Medo de distorção de sua imagem, pois não quer que os pais pensem que ele é impopular e rejeitado na escola. A mente da criança funciona com um raciocínio lógico diferente da do adulto, portanto ele pensa: “se sou rejeitado na escola, serei também rejeitado em casa”.Cabe aos pais e professores identificarem e prevenirem a violência escolar, trabalho complicado, porque muita vezes o agressor é dissimulado e se esconde por trás de um “exército”, por ele instigado a agir sobre a vítima, mas, não é uma tarefa impossível.Os pais, devem trabalhar no sentido da prevenção, conversando e estabelecendo uma relação de confiança com o filho, fazendo ele se sentir seguro para desabafar os eventuais problemas escolares.