Deficiência De Testosterona Mossoró, Rio Grande do Norte

Deficiência De Testosterona em Mossoró. Encontre telefones, endereços e informações sobre Deficiência De Testosterona em Mossoró e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Deficiência De Testosterona.

Jesulei Dias da Cunha
(84) 3317-3889
Rua Juvenal Lamartine 640 - Clínica Sommos
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Maria do Socorro Araujo Rodrigues
(84) 3317-2046
Rua Duodécimo Rosado 10 - Ed. Medical Center
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Leonardo Davinci Lima Nogueira
(84) 3317-6212
R. Dionisio Filgueira 117 - (Cl Ginecologi
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Gilson Figueiredo Cantidio
(84) 3211-9797
Rua Ver. Joao Alves da Silva Filho 784
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Felipe Pacheco Ferreira de Melo
(84) 3220-4551
Av. Afonso Pena 766
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Fausto Guilherme Xavier Carlos
843-3173
R Melo Franco 106
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Raimundo Fernandes Junior
(84) 9972-1432
Pç. Cong Estevão Dantas 238
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Antonio Francisco Correia Junior
Rua Sílvio Pélico 181
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Luiz Dionisio de Melo
(84) 3221-6301
Rua Felipe Camarão 548
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Natal Hospital Center
(84) 4009-1000
Afonso Pena 754
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Urologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Deficiência de testosterona em homens: sintomas

A testosterona é o hormônio responsável pelo desenvolvimento das características masculinosHomens que apresentam baixo nível de testosterona não são raros de serem encontrados. Há pouco tempo pensava-se que os baixos níveis desse hormônio eram limitados apenas aos casos de portadores de deficiências congênitas das gônadas, ou naqueles com falência da função testicular secundário a traumatismo nos testículos ou problemas na hipófise.Entretanto, hoje está bem claro que o nível de testosterona pode diminuir em várias outras situações, com obesidade grau III, infecção pelo HIV, intenso estresse psicológico, doenças debilitantes e até mesmo como efeito colateral de certas drogas.Entenda como a testosterona é produzida no organismo.Quadro clínicoA diminuição na concentração de testosterona apresenta repercussões sistêmicas que podem se manifestar progressivamente, tornando difícil a percepção do problema. Dentre as queixas mais frequentes podemos destacar:Diminuição da densidade óssea, aumentando as chances de fraturas;Diminuição da força e massa muscular;Aumento na quantidade de gordura no corpo;Perda do interesse sexual;Diminuição da fertilidade;Cansaço frequente;Aumento da resistência à insulina, aumentando as chances de desenvolver o diabetes;Tristeza, ansiedade e depressão;Diminuição da memória e raciocínio.O declínio na produção de testosterona se inicia aos 30 anosDeclínio natural da testosteronaA liberação de testosterona no organismo masculino começa a diminuir a partir dos 30 anos. Entretanto não é preciso se preocupar, pois esse declínio na produção de hormônio é natural e, segundo pesquisas, a queda é bem discreta, chegando a um índice de 0.8% ao ano (na faixa dos 40 aos 70 anos). O interessante é que o impacto dessa diminuição varia de um indivíduo para outro, passando a ser considerado um problema apenas quando o indivíduo se torna sintomático.HipogonadismoO hipogonadismo, isto é, o mau funcionamento dos testículos com pouca produção de hormônio, pode surgir em qualquer fase da vida. Quando o problema aparece na infância, o diagnóstico costuma ser fácil, pois o garoto acaba não passando pelas mudanças naturais da puberdade.O problema é quando o hipogonadismo surge na fase adulta da vida, uma vez que os sintomas geralmente são muito inespecíficos e características masculinas como massa muscular, desenvolvimento dos genitais e pelos corporais são mantidos, apesar do não funcionamento testicular.Saiba como a queda de testosterona afeta o comportamento e hábitos masculino.DiagnósticoO diagnóstico é obtido através da dosagem sanguínea de níveis de testosterona abaixo do intervalo considerado normal para a faixa etária. Porém, em situações especiais, é possível apresentar toda a sintomatologia de hipogonadismo apesar dos níveis séricos normais de testosterona, sendo necessária uma investigação mais detalhada com outros testes laboratoriais.A perda do interesse sexual é um dos sintomasApesar de no interferirem na mortalidade dos homens, esse problema acaba comprometendo a qualidade de vida de muitas pessoas. Por isso, mediante o surgimento de qualquer dúvida, é necessário procurar um médico para que seja realizado os testes necessários e iniciada a terapia de reposição hormonal.