Depressão Pós-Parto Águas Lindas de Goiás, Goiás

Depressão Pós-Parto em Águas Lindas de Goiás. Encontre telefones, endereços e informações sobre Depressão Pós-Parto em Águas Lindas de Goiás e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Depressão Pós-Parto.

Bivian Marilena Barbosa de Miranda
(61) 3352-1515
QSA 2 lt 2 s 404
Taguatinga, DF
 
Maria Luci Porto
(61) 3351-0640
C 12 bl B lt 1/2 s 106
Taguatinga, DF
 
Clínica de Psicologia Loude Tavares Amaral
(61) 3563-6694
CSB 2 lt 1 s 435 tor B
Taguatinga, DF
 
Clínica de Psicologia Elizabeth Takahashi
(61) 3353-5020
CNB 13 lt 5 lj 1
Taguatinga, DF
 
Clínica Médica Psicologia Água
(61) 618 2974
Q 42 2 lt 18 cj B
Águas Lindas de Goiás, Goiás
 
Reijane da Silva Lopes
(61) 3563-9832
C 1 lt 1/12 s 243
Taguatinga, DF
 
Clínica Soar
(61) 3039-1250
CSB 2 lt 1/4 s 310
Taguatinga, DF
 
Camila Paiva Gomes Gerais
(61) 3351-0562
CNB 11 lt 9 s 705
Taguatinga, DF
 
Cliap
(62) 3253-1871
Rua 12 309
Goiás, Goiás
 
Lugar de Brincar
(61) 3352-6237
QSB 8 c 02
Brasília, DF
 

Principais causas da depressão pós-parto

O período pós-parto é extremamente delicado, tanto para a mãe quanto para o bebê, e experimentar sensações fortes, conhecidas como “baby blues”, é completamente normal. Nesse momento as mulheres encontram-se fragilizadas, por estarem se recuperando do parto, e necessitam de mais tempo de sono e atenção.Na depressão pós-parto a mãe passa a evitar a presença da criança. (Foto: divulgação)Entretanto, as novas responsabilidades de cuidar de um recém-nascido, pode tornar a adaptação mais complicada e cursar com alguns problemas, como é o caso da depressão pós-parto. Esse problema acaba assustando a maioria das mulheres, pois causa o estranho desejo de evitar a presença do bebê e até de querer prejudicá-lo. Saiba mais sobre o assunto e conheça as principais causas de depressão pós-parto e seus sintomas.A depressão pós-parto também pode afetar os homens. Saiba mais sobre depressão pós parto masculina.Causas de depressão pós-partoCerca de 13% das mulheres grávidas e mães recentes apresentam depressão pós-parto. Esse problema não se desenvolve, necessariamente, imediatamente após o parto, e pode ocorrer até um ano depois do nascimento da criança.Essa doença pode se manifestar com intensidade variável e, apesar das controvérsias, vários fatores são considerados como responsáveis pelo surgimento dos sintomas. O mais provável é que não haja um fator exclusivo capaz de determinar o aparecimento da doença, e sim a associação entre vários fatores.Conheça as alterações emocionais sofridas pela mulher no período pós-parto.A depressão pós-parto pode comprometer o vínculo materno-infantil. (Foto: divulgação)Etiologicamente, as causas podem ser divididas em:Fatores biológicosSão resultantes da enorme variação hormonal durante a gestação e das alterações metabólicas consequentes.Fatores psicológicosSão os resultados de sentimentos conflituosos da mãe, que pode ocorrer em relação à sua capacidade de ser mãe e à sua posição como filha de sua própria mãe, ao bebê e ao companheiro.Outros fatores podem estar associados, como as condições do parto (se traumático ou não), a situação social da família e a posição ocupada pela mulher na hierarquia familiar e sua sobrecarga de afazeres.Saiba como evitar a depressão.Sintomas de depressão pós-partoA persistência de um dos seguintes sintomas, sem causa aparente e por mais de duas semanas, pode indicar a necessidade de consultar um médico para investigação de depressão pós-parto:Cansaço persistente;Mau-humor;Tristeza;Desespero;Sensação de incapacidade;Choro frequente;Falta de energia e motivação;Distúrbios na alimentação e no sono;Dificuldade de concentração e de memória;Sentimentos de culpa;Desinteresse por atividades anteriormente consideradas prazerosas;Na persistência dos sintomas, uma consulta médica é necessária. (Foto: divulgação)A depressão pós-parto é um problema relativamente comum, que pode se desenvolver até um ano após o nascimento da criança e que, se não identificada a tempo e tratada, pode trazer sérios prejuízos para o desenvolvimento do vínculo materno-infantil. Mediante a persistência dos sintomas por mais de duas semanas é imprescindível agendar uma consulta médica, para que as medidas de tratamento necessárias sejam tomadas.Veja dicas de como criar laços de amor com o bebê.