Doenças Inflamatórias Do Coração Macapá, Amapá

Doenças Inflamatórias Do Coração em Macapá. Encontre telefones, endereços e informações sobre Doenças Inflamatórias Do Coração em Macapá e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Doenças Inflamatórias Do Coração.

Cardiomed
(96) 3217-4876
Avenida Ernestino Borges 893
Macapá, Amapá
 
Instituto do Coração Simone Teran
(96) 3223-5056
Rua Paraná 617
Macapá, Amapá
 
Paulo Roberto Balbino
(96) 3223-0737
Avenida 13 - de Setembro 543
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Raimundo Palheta Alves
222-4871
Av. Mendon¢a Furtado 2159 - Clidermia
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Joana Silva Carvalho/Hemodiagnostico
700-0705
Av. Coaracyunes 890
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
José Cabral de Castro
(96) 3222-2236
Rua Hildemar Maia 583
Macapá, Amapá
 
Instituto de Cardiologia
(96) 3224-3317
Avenida Almirante Barroso 667
Macapá, Amapá
 
Joao Roberto Bastos Zoghbi
(96) 3223-4257
Av. Raimundo Alvares da Costa 735
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Nicodemos Vieira da Silva Neto
(96) 224-1146
Av Cora de Carvalho 2088
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Heraldo Rodrigues Ribeiro
(96) 223-9495
Av Raimundo Alvares da Costa 341
Macapa, Amapá
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Doenças inflamatórias do coração

As doenças inflamatórias do coração são pouco diagnosticadas. Porém, de 1 a 4% da população pode sofrer desse mal.Dentre as inflamações desse órgão, as mais comuns são a miocardite e a pericardite. No caso da primeira, ocorre uma reação inflamatória do músculo do próprio coração. Já na segunda, a inflamação é na membrana que reveste o coração, chamada pericárdio.Sinais e sintomasEssas inflamações cardíacas são pouco diagnosticadas porque seus sintomas são muito inespecíficos e parecidos com outras doenças. Algumas pessoas podem sentir mal-estar, cansaço, apresentar febre, náuseas e em alguns casos diarreia. Dificilmente se associa esses sintomas inicialmente ao coração.Essas doenças, quando descobertas no início tem tratamento (que é feito com anti-inflamatórios) e cura. Porém, quando não diagnosticadas a tempo, pode se instalar e comprometer o bom funcionamento do coração podendo até levar a morte.Algumas vezes podem aparecer sintomas que indicam que o problema é cardíaco, como a dor no peito, extremo cansaço e alterações nos batimentos cardíacos. Estudos indicam 8 a 12% das mortes súbitas de pessoas com menos de 40 anos estão relacionadas à miocardite ou outros problemas inflamatórios do coração.Os exames mais utilizados para conseguir detectar essas doenças são o eletrocardiograma, a radiografia de tórax, o ecocardiograma e a ressonância magnética.Como contraímos a doença?Existem alguns microrganismos que estão relacionados com o aparecimento da inflamação cardíaca. Os vírus mais encontrados são o Coxsackie, que está presente normalmente no sistema digestório, o citomegalovírus e o vírus influenza (causador de gripe e sinusite). O que ocorre é que após a infecção por algum desses vírus, estes podem chegar ao coração através da corrente sanguínea se alojando e causando o problema.Outras formas de contágio da doença são as bactérias, como as que causam a tuberculose, ou fungos, como a candida. A miocardite se desenvolve em 3 a 5% das pessoas que têm infecção pelo Coxsackie. O uso de drogas, como a cocaína, também pode levar ao desenvolvimento da doença.Quem está mais propenso a desenvolver a inflamaçãoQualquer pessoa corre o risco de desenvolver uma inflamação cardíaca. Porém, algumas estão mais vulneráveis ao desenvolvimento do problema do que outras. Alguns exemplos são pessoas com tendência às infecções de repetição, portadores de tuberculose ou quem apresenta baixa imunidade, como portadores de HIV.TratamentoA descoberta da doença logo no início é fundamental para que o tratamento tenha sucesso. Para tratar a inflamação cardíaca é necessário repouso completo do paciente, para diminuir o esforço cardíaco. Também são utilizados anti-inflamatórios e, em alguns casos, imunossupressores.