Hipotireoidismo E Hipertireoidismo Pelotas, Rio Grande do Sul

Hipotireoidismo E Hipertireoidismo em Pelotas. Encontre telefones, endereços e informações sobre Hipotireoidismo E Hipertireoidismo em Pelotas e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Hipotireoidismo E Hipertireoidismo.

Renato Azevedo da Silva
553-2292
R Gomes Carneiro 1560
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jose Augusto Froner Bicca
532-2559
R Marechal Deodoro 800 - Sl. 701
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Luiz Henrique Lorea de Lorea
(53) 227-2035
Rua Br Sta Tecla 583 - 804/805
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Joao Alfredo Costa da Silveira
(53) 225-8244
R Generaleto 1361 - Sl. 101
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Antonio Dias Soares Neto
(53) 222-5210
Rua Felix da Cunha 655
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Antonio Soares Siedler
(53) 225-4081
R Tiradentes 2923
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Mariane Terezinha Geller
(51) 3227-1204
Rua General Osorio 1184
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Enrique Daniel Saldana Garin
Lobo da Costa 726 - 802
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Carlos Edmundo D. Gastal
(53) 3222-4714
Rua Gen Angolo 1386 - a
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Gilberto Abduch Junior
(53) 3225-0144
Rua Três de Maio 970
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Hipotireoidismo e Hipertireoidismo – Sintomas e tratamento

A tireóide é uma glândula endócrina muito importante para o funcionamento harmônico do organismo. Os hormônios liberados por ela, T4 e T3 estimulam o metabolismo, isto é, o conjunto de reações necessárias para garantir todos os processos bioquímicos do organismo.Os principais distúrbios da tireóide são hipotireoidismo, a baixa ou nenhuma produção de hormônios, e o hipertireoidismo, a produção excessiva de hormônios, doença que são mais constantes nas mulheres do que nos homens.Sintoma da hipotireoidismo: cansaço, depressão, adinamia, pele seca e fria, prisão de ventre, diminuição da frequência cardíaca, decréscimo da atividade cerebral, voz mais grossa como a de um disco em baixa rotação, mixedema, diminuição de apetite, sonolência, reflexos mais vagarosos, intolerância ao frio e alterações menstruais e na potência e libido dos homens.Sintomas do hipertireoidismo: hiperativação do metabolismo, nervosismo e irritação, insônia, aumento da frequência cardíaca, intolerância ao calor, sudorose abundante, taquicardia, perda de peso resultante de queima de músculos e proteínas, tremores, olhos saltados, bócio e comprometimento da capacidade de tomar decisões equilibradas.As causas do hipotireoidismo, a Tireoidite de Hashimoto, é uma doença auto-imune que provoca a redução gradativa da glândula; falta ou excesso de iodo na dieta.Já o hipertireoidismo, que é uma doença grave e hereditária que se caracteriza pela presença de um anticorpo no sangue que estimula a produção excessiva dos hormônios tireoidianos; bócio com nódulos que produzem hormônios tireoidianos sem a interferência do TSH, hormônio produzido pela hipófise.O tratamento dos dois casos deve ser introduzido assim que o problema for constatado e depende da avaliação das causas da doença em cada paciente.No caso do hipotireoidismo, é preciso começar de preferência na fase subclínica com a reposição do hormônio tireoxina que a tireóide deixou de produzir. Na maioria dos casos a doença não regride, e os medicamentos devem ser tomados por toda a vida, porém os resultados são muito bons.No hipertireoidismo, o tratamento pode incluir medicamentos, iodo radioativo e cirurgia, porém depende das características e causas da doença. O tratamento devem começar logo e ser prescrito principalmente na terceira idade a fim de evitar a ocorrência de arritmias cardíacas, hipertensão, fibrilação, infarto e osteoporose.Conteúdo avaliado com média: