Leishmaniose Caucaia, Ceará

Leishmaniose em Caucaia. Encontre telefones, endereços e informações sobre Leishmaniose em Caucaia e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Leishmaniose.

Jose Evandro Ferreira de Sousa
3253-3337
Av Antonio Sales 60
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Francisco Wladimir O de Queiroz
3279-4093
R Pedro Firmeza 712
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Fabricio Andre Martins Costa
3279-5059
R Pedro Firmeza 712
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Sefora de Alencar Araripe Gurgel
3224-6470
R Jose Vilar 950
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Odalia Carvalho Sampaio
3252-2804
Rua Pereira Filgueiras 1095
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jose Maria Costa Batista
3495-3813
Av Holanda 235
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Elsie Goes Moreira
3214-1339
R Professor Anacleto 33
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Ricardo Augusto Rocha Pinto
R Papi Junior 1222
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Afonso Celso C. Soares
Av Treze de Maio 1331
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Antonio Maia Pinto
R Osvaldo Cruz 1089
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Leishmaniose: sintomas, causas, tratamento

Mosquito que transmite a Leishmaniose (Foto:Divulgação)A Leishmaniose é uma doença infecciosa causada por um parasita encontrado em lugares com condições sanitárias precárias. Existem dois tipos de Leishmaniose a tegumentar e a visceral, conhecida também por calazar.O primeiro tipo é caracterizado por feridas na pele, que se localizam em qualquer parte do corpo e posteriormente pode acometer também áreas como as mucosas do nariz, da boca e da garganta. Já a Leishmaniose visceral acomete órgãos internos como o fígado, o baço e a medula óssea. Os mais acometidos por esta doença são as crianças e ela pode durar alguns meses ou anos.CausasA doença é causada por parasitas que vivem e se multiplicam no interior de células de defesa como os macrófagos. Sua transmissão se dá através de insetos que se alimentam de sangue, que medem cerca de dois milímetros e por isso conseguem atravessas malhas, mosquiteiros e telas de proteção. Como a Leishmaniose é uma zoonose ela só é transmitida ao ser humano depois que o mosquito pica um animal infectado.A fonte de infecção da Leishmaniose cutânea são os animais silvestres, como os roedores, tamanduás ou preguiças e também o cachorro doméstico, fonte da maioria dos casos. Já na L. visceral o maior hospedeiro é a raposa.Leishmaniose Cutânea (Foto:Divulgação)Sintomas- Leishmaniose VisceralOs sintomas deste subtipo da doença são a febre irregular e prolongada, anemia, palidez da pele e mucosas, falta de apetite, emagrecimento e aumento do fígado e do baço.O período de incubação até a manifestação dos sintomas podem variar de dois a seis meses. A progressão da doença inclui a diminuição no número de plaquetas e leucócitos levando a sangramento, infecções e em casos mais extremos, a morte.- Leishmaniose CutâneaNesta variação da doença os sintomas são o aparecimento de uma elevação na pele que logo evolui para uma ulceração, que pode estar com pus ou não. Também podem ser evidenciadas em alguns casos o aparecimento de lesões no nariz e na boca.Os cães são hospedeiros da doença (Foto:Divulgação)TratamentoAssim que identificados alguns dos sintomas o importante é consultar o médico. Ele passará alguns medicamentos que devem ser aplicados através de injeções. Já a Leishmaniose cutânea pode se curar sozinha, mas as vezes as feridas demoram para curar ou deixam cicatrizes, por isso o médico também terá uma orientação adequada a respeito dos medicamentos a serem usados.A prevenção é sempre o melhor método para se evitar uma doença como esta, por isso é importante sempre fazer uso de repelentes quando for em matas ou em locais que existam focos da doença. A dedetização e o uso de telas e mosquiteiros também podem ajudar a manter o mosquito distante.