Remédios Para Emagrecer Brasília, DF

Remédios Para Emagrecer em Brasília. Encontre telefones, endereços e informações sobre Remédios Para Emagrecer em Brasília e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Remédios Para Emagrecer.

Drogaria Nova Distrital
(61) 3533-1000
SAAN Q 3 lt 1220
Brasília, DF
 
Drogaria Ns
(61) 3349-6632
SCLRN 708 BL A lj 32
Brasília, DF
 
Drogaria Leticia Ltda
(61) 3328-2516
SRTVN CJ P lj 4
Brasília, DF
 
Drogaria Santana
(61) 3242-6533
CRS 510 BL C lj 63
Brasília, DF
 
Drogaria Brasil Ltda
(61) 3226-8037
CLS 302 BL B lj 8/10
Brasília, DF
 
Blue Farma Manipulação
(61) 3345-2327
CLS 412 BL B lj 13
Brasília, DF
 
Drogaria Família Rede da Economia
(61) 3340-7472
CLN 407 BL A lj 31
Brasília, DF
 
Drogaria Centralfarma
(61) 3041-3366
SCRN 714/715 BL A lj 25
Brasília, DF
 
Drogaria Uberaba
(61) 3274-8810
CLN 106 BL C lj 10
Brasília, DF
 
Drogaria da Família
(61) 3245-7181
CLS 211 BL B lj 17
Brasília, DF
 

Os Riscos dos Remédios para Emagrecer

Muitas pessoas não medem esforços para emagrecer, colocando até mesmo sua saúde em risco. A procura de remédios para emagrecer aumentou muito no Brasil, assim como seu uso. De acordo com o relatório divulgado pela Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife), órgão das Nações Unidas, as pessoas tem consumidos cada vez mais esses tipos de remédios, correndo sérios riscos devido aos efeitos colaterais que podem ser causados.Muitos acabam se preocupando tanto com a aparência, com a estética, com os padrões de beleza que são impostos e não percebem os perigos que podem ser causados pelo uso desses remédios.O consumo cada vez maior dos chamados anorexígenos, substâncias como fentermina, fenproporex, anfepramona e fendimetrazina, causado grande preocupação nos especialistas. Os profissionais da área dizem que, um dos principais fatores para essa situação está na atitude dos médicos. Justifica-se: a receita de anorexígenos acontece freqüentemente a pedido do paciente; se não houvesse a demanda, a prescrição não existiria. Além disso, esses medicamentos não tem resolvido o problema, que seria em relação a perda de peso e a situação está fugindo do controle.Segundo o presidente da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), muitas pessoas que utilizam anfetaminas não são obesas, mas apresentam algum problema relacionado à estética. De acordo com ele, são pessoas que pesam 55kg, por exemplo, e tomam esses remédios para perder cerca de 2 quilos. Estando essas pessoas sujeitas a sofrerem mais com os efeitos colaterais.Para tratar a obesidade é necessário um trabalho progressivo, aos poucos para que seja eficaz. Utilizar medicamentos querendo resultados cada vez mais rápidos para chegar ao emagrecimento pode resultar em outros problemas e comprometer a solução para o aumento de peso.O remédio usado com este objetivo causa diferentes ações no organismo e muitos efeitos colaterais. O uso sem prescrição médica dessas substâncias pode causar efeitos como irritação, insônia, ansiedade, taquicardia, dor de cabeça, dependência, diarréia, deficiência de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K), perda muscular, e etc.Para um bom resultado é necessário o acompanhamento de um profissional especializado, respeitando o quadro do paciente e o uso determinado na indicação.A Jife enfatiza a importância de uma posição do governo no controle desses medicamentos. Segundo a Junta, a tendência de consumo dessas substâncias deve ser vigiada, identificando possíveis exageros para que seja feito um controle dos canais internos de distribuição.Deve-se dá atenção também aos medicamentos que são vendidos ilegalmente pela Internet. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão responsável pela fiscalização dos medicamentos, disse que estabeleceu um convênio com a Polícia Federal para localizar e fechar os sites que fazem esse tipo de comércio.O controle do governo sobre o uso dessas substâncias é fundamental.No entanto, ter consciência dos problemas que esses remédios podem causar, serve para fazer as pessoas mudarem de atitudes em relação ao uso e abuso desses medicamentos, procurando formas mais saudáveis de melhorar não somente a aparência, mas também a saúde.