Síndrome Das Pernas Inquietas Campina Grande, Paraíba

Síndrome Das Pernas Inquietas em Campina Grande. Encontre telefones, endereços e informações sobre Síndrome Das Pernas Inquietas em Campina Grande e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Síndrome Das Pernas Inquietas.

Jose Arnobio de Araujo
(83) 3322-1443
Av Rio Branco 394
Campina Grande, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Adelle Bezerra Nunes
(85) 7533-4185
R Montivideo 720 - Sl 203Centro Medico San Pietro
Campina Grande, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Neide Maria Cantalice Agra
(83) 3322-6054
Rua Vidal de Negreiros 164 - 1º Andar
Campina Grande, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Hospital FAP-Fundação Assistêncial PB
(83) 3334-1386
r Dr Francisco Pinto Oliveira, s/n Universitário
Campina Grande, Paraíba

Dados Divulgados por
Hospital Memorial Rubens Dutra Segundo
(83) 3333-3854
av Mal Floriano Peixoto, 3333 Bodocongo
Campina Grande, Paraíba

Dados Divulgados por
Deborah Rose Galvao Dantas
(83) 3322-3441
R Joao Tavares 668
Campina Grande, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Domiciano Silva da Silveira
(83) 3321-4857
Av Presidente Epitacio Pessoa 256
Campina Grande, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Hospital Regional de Urgência e Emergência
(83) 3310-9200
av Mal Floriano Peixoto, 1045 São José
Campina Grande, Paraíba

Dados Divulgados por
Hospital Pedro I
(83) 3341-3082
Fernandes Vieira, 0 - José Pinheiro
Campina Grande, Paraíba

Dados Divulgados por
Hospital Antônio Targino
(83) 3341-1063
r Delmiro Gouveia, 442 CENTENÁRIO
Campina Grande, Paraíba

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Síndrome das pernas inquietas: entenda o problema

A síndrome das pernas inquietasBalançar as pernas enquanto vemos TV ou lemos um livro ou, ainda, ter as pernas trêmulas ao estar apaixonado não são sintomas da síndrome das pernas inquietas. Nas situações descritas anteriormente, paramos os movimentos assim que o percebemos. Já na síndrome das pernas inquietas, existe uma necessidade de movimentar as pernas, quase como uma mania. Muitas vezes isso acaba incomodando quem está próximo ou mesmo o próprio portador da síndrome. Quando ocorre a noite pode perturbar o sono, levando a pessoa a ter um dia cansado após a noite mal dormida.Ao contrário do que muitos pensam, a síndrome não atinge apenas as pernas. Podemos perceber movimentos durante a noite de braços e mesmo do corpo inteiro. Mas muitas pessoas confundem com situações normais e outras acostumam com a doença. Por isso, é importante diferenciarmos uma situação normal de uma da qual seja patológica, ou seja, que traga uma piora na qualidade de vida do indivíduo.Sinais e sintomasMas, se nos movimentar é um hábito rotineiro, como saber se é uma doença ou apenas um costume? Temos que ficar atentos às diferenças.Necessidade repentina de movimentar as pernas;Sensação de dor, formigamento, pressão, repuxamento;Piora dos sintomas no período noturno;Sensação de arrastamento das pernas.DiagnósticoUm dos recursos utilizados para efetuar o diagnóstico desta síndrome é a “polissonografia”. Nesse exame é realizado um levantamento do que acontece durante o sono, como atividade cerebral, movimentos oculares e contrações dos músculos. Assim, o médico que acompanha o caso (neurologista ou psiqiatra) pode definir o tipo de medicamento e a dose adequada a ser usada.TratamentoNão se sabe ao certo o que causa esta síndrome, por isso o tratamento se torna um pouco quanto complicado. Porém, alguns medicamentos tem sido usado com bons resultados como a carbamazepina, que também é utilizada em outros distúrbios neurológicos como a epilepsia e a carbidopa-levodopa, uma substância muito usada no tratamento da doença de Parkinson.Praticar atividades físicas ajudam muito na diminuição dos sintomas. E o tratamento psicológico também mostra melhoras. Se você se identificou com a síndrome das pernas inquietas, procure um neurologista ou um psiquiatra para que possam fazer o diagnóstico e iniciar um tratamento. Você não precisa conviver com o desconforto dessa doença.