Síndrome Das Pernas Inquietas Paulista, Pernambuco

Síndrome Das Pernas Inquietas em Paulista. Encontre telefones, endereços e informações sobre Síndrome Das Pernas Inquietas em Paulista e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Síndrome Das Pernas Inquietas.

Fernando Rodrigues de Araujo - Pgc
Rua Doutor Manoel de Almeida Belo 241 - Apto. 201
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Antonio Augusto Siebra
3491-1415
Av. Gov Carlos Lima Cavalcante 1704
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Maria Helena Castelo Branco de Oliveira
813-4291
Av Presidente Getulio Vargas 1009
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Cristiana Andrea de Albuquerque Leao
813-4312
Av Doutor Jose Augusto Moreira 787 - Sala 03
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Zenaide Planzo de Farias
R Padre Luiz Marques Teixeira 257 - Apt 101
Recife, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Severino Guedes Gondim Neto
(81) 3432-1270
Av.Jose Augusto Moreira 787 - Sl 03
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Joana Correa de Araujo Koury
(81) 3432-1667
Av Av. Jose Augusto Moreira 787
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Carlos Alberto Amaral Bonfim
(81) 3491-1714
Av Doutor Jose Augusto Moreira 525 - Sala 08
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Silvana Maria Daconti
813-4322
Av Doutor Jose Augusto Moreira 679
Olinda, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Maria Eulasia Galindo Tavora
(81) 3231-6960
Av Visconde de Suassuna 704
Recife, Pernambuco
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Síndrome das pernas inquietas: entenda o problema

A síndrome das pernas inquietasBalançar as pernas enquanto vemos TV ou lemos um livro ou, ainda, ter as pernas trêmulas ao estar apaixonado não são sintomas da síndrome das pernas inquietas. Nas situações descritas anteriormente, paramos os movimentos assim que o percebemos. Já na síndrome das pernas inquietas, existe uma necessidade de movimentar as pernas, quase como uma mania. Muitas vezes isso acaba incomodando quem está próximo ou mesmo o próprio portador da síndrome. Quando ocorre a noite pode perturbar o sono, levando a pessoa a ter um dia cansado após a noite mal dormida.Ao contrário do que muitos pensam, a síndrome não atinge apenas as pernas. Podemos perceber movimentos durante a noite de braços e mesmo do corpo inteiro. Mas muitas pessoas confundem com situações normais e outras acostumam com a doença. Por isso, é importante diferenciarmos uma situação normal de uma da qual seja patológica, ou seja, que traga uma piora na qualidade de vida do indivíduo.Sinais e sintomasMas, se nos movimentar é um hábito rotineiro, como saber se é uma doença ou apenas um costume? Temos que ficar atentos às diferenças.Necessidade repentina de movimentar as pernas;Sensação de dor, formigamento, pressão, repuxamento;Piora dos sintomas no período noturno;Sensação de arrastamento das pernas.DiagnósticoUm dos recursos utilizados para efetuar o diagnóstico desta síndrome é a “polissonografia”. Nesse exame é realizado um levantamento do que acontece durante o sono, como atividade cerebral, movimentos oculares e contrações dos músculos. Assim, o médico que acompanha o caso (neurologista ou psiqiatra) pode definir o tipo de medicamento e a dose adequada a ser usada.TratamentoNão se sabe ao certo o que causa esta síndrome, por isso o tratamento se torna um pouco quanto complicado. Porém, alguns medicamentos tem sido usado com bons resultados como a carbamazepina, que também é utilizada em outros distúrbios neurológicos como a epilepsia e a carbidopa-levodopa, uma substância muito usada no tratamento da doença de Parkinson.Praticar atividades físicas ajudam muito na diminuição dos sintomas. E o tratamento psicológico também mostra melhoras. Se você se identificou com a síndrome das pernas inquietas, procure um neurologista ou um psiquiatra para que possam fazer o diagnóstico e iniciar um tratamento. Você não precisa conviver com o desconforto dessa doença.