Transtorno Bipolar Arapongas, Paraná

Transtorno Bipolar em Arapongas. Encontre telefones, endereços e informações sobre Transtorno Bipolar em Arapongas e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Transtorno Bipolar.

Gutemberg Henrique Costa
(43) 3055-2580
Rua Hárpia 629
Arapongas, Paraná
 
Patrícia Hirata
(43) 3252-0939
Rua Tucanos 869
Arapongas, Paraná
 
Lea Rene Broch Duarte
(43) 3256-2783
Rua Estilac Leal 286 s 4
Rolândia, Paraná
 
Débora Menegazzo
(43) 3422-2560
Rua Doutor Nagib Daher 576
Apucarana, Paraná
 
Fernando Campos Ferreira
(43) 3254-4609
Avenida Brasil 528
Cambé, Paraná
 
Lurdes Aparecida Ferdinanda
(43) 3275-3662
Rua Marabu 671
Arapongas, Paraná
 
Elisabete Borges
(43) 3152-2310
Rua Saí 33
Arapongas, Paraná
 
Clínica de Hipnose e Regressão Valderez Penna Rank
(43) 3033-3287
Avenida Curitiba 1433 s 207
Apucarana, Paraná
 
Clínica de Psicologia Maria Ap. Honorato
(43) 3423-4631
Rua Osório Ribas de Paula 794 s 8
Apucarana, Paraná
 
Gláucia Penasso
(43) 3254-4039
Rua Pará 905
Cambé, Paraná
 

Transtorno Bipolar

Há muito tempo atrás o transtorno bipolar era denominado como psicose maníaco-depressiva, no qual caracterizava por oscilações constantes de humor. Essas mudanças propriamente ditas, vão desde o estado de pura alegria até o de tristeza. Esse transtorno é uma doença que causa grande impacto na vida do portado, de sua própria família e até mesmo a sociedade, causando um prejuízo freqüentemente irreparável, além é claro, do próprio sofrimento psicológico.Quais são as causas do transtorno bipolar?A causa exatamente da doença não é totalmente conhecida, assim como os outros distúrbios relacionados ao humor. Porém, sabe-se que os fatores biológicos, genéticos, sociais e psicológicos contribuem para o desenvolvimento da doença. Em geral, no que diz respeito aos fatores genéticos e biológicos podemos determinar que o portador reage aos estressores psicológicos e social, mantendo assim uma normalidade da doença.Como identificar se alguém está com esse problema?É possível reconhecer se alguém está com esse transtorno simplesmente pela demonstração exagera da felicidade ou irritabilidade. A pessoa sente-se capaz de fazer coisas que possivelmente ninguém mais poderia fazer, parece arrogante, dorme muito pouco e faz muitas coisas ao mesmo tempo. Quando está deprimida, a pessoa sente-se triste – obviamente – irritada, ansiosa, sem interesse pelas outras pessoas e coisas, dorme muito ou tem insônia. Sente-se também fatigada, sem energia, lenta, culpa em relação a tudo e pode cogitar até mesmo suicídio.Como manifesta a doença?O transtorno pode iniciar na infância geralmente apresentando os sintomas tais como irritabilidade e impulsividade. A doença se manifesta em um terço dos indivíduos na faixa dos 19 anos, a maioria mulheres. Pode se manifestar também entre os 45 e 50 anos.A mania é caracterizada por:Agitação, inquietação física e mental.Otimismo e confiança exageradas.Idéias grandiosas.Uso de drogas.Aumento de impulso sexual.Comportamento inadequado, provocador, agressivo.Gastos excessivos.Diminuição da energia.Humor depressivo.Indecisão, apatia, desânimo.Pensamento com conteúdo negativo: pessimismo exagerado, baixa auto-estima, medo excessivo.Outras formas de manifestação da doença:Há três formas que o transtorno bipolar pode se manifestar. A primeira forma seria a hipomania, em que também ocorre o estado de humor bastante expansivo, mas de forma bastante leve. A segunda forma seria a ocorrência de episódios mistos, quando em um mesmo dia haveria a alternância entre depressão e mania. E a terceira e última forma seria aquela, cujo transtorno é ciclotímico. Ou seja, alteração crônica e flutuante do humor, marcada por numerosos períodos depressivos.Como se diagnostica a doença bipolar do humor?O diagnóstico deverá ser feito por um medico especializado. Ou seja, por um psiquiatra baseado nos sintomas apresentados pelo paciente. Não existem exames de imagem ou até mesmo laboratoriais que auxiliem o diagnóstico.Qual o tratamento para o transtorno bipolar?Após o diagnóstico preciso, o tratamento se inicia através de medicamentos chamados de estabilizadores do humor, em que o carbonato de lítio é o mais usado. O acompanhamento psiquiátrico deve ser mantido por um longo período, sendo que algumas opções de psicoterapia podem ajudar e muito no tratamento da doença.