Tratamentos Para Dependência Química Balneário Camboriú, Santa Catarina

Tratamentos Para Dependência Química em Balneário Camboriú. Encontre telefones, endereços e informações sobre Tratamentos Para Dependência Química em Balneário Camboriú e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Tratamentos Para Dependência Química.

Nilva Farias
(47) 3345-4245
Rua Alexandre G Figueiredo 433
Balneário Piçarras, Santa Catarina
 
Sílvia Cristina Mendes Camargo
(47) 3361-5319
Rua 3300 360 s 504
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Lorene Moreira Heusi
(47) 3361-1415
Av Atlântica 400 Apto 2101
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Vivian C N Cruzetta
(47) 3367-2579
Rua 2000 567 s 1
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Graziela Ughini Cozer
(47) 3366-3459
Av Atlântica 2440 s 8
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Farmácia Farma Nilva
(47) 3345-3837
Rua Alexandre G Figueiredo 433
Balneário Piçarras, Santa Catarina
 
Margareth dos Santos
(47) 3367-2573
Av Brasil 1500 sl 423
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Nara M S Souza
(47) 3366-5844
Rua 3300 360 s 207
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
JAUELINE BENDINE
(47) 3361-6583
Rua Dinamarca 141 S 302
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
SILVIA C M CAMARGO
(47) 3361-5319
Rua 1101 60 S 00073
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamentos para Dependência Química

A dependência química é um problema que afeta toda a família. Um processo complicado para quem o enfrenta, seja por parte de quem sofre da dependência diretamente, fazendo uso de drogas (seja elas ilícitas ou lícitas), seja dos que estão em volta e que, muitas vezes, não compreendem ou aceitam o que se passa com o dependente. Essa não aceitação se dá por falta de conhecimento ou até mesmo por preconceito. Para tentar amenizar e até dar uma ajuda na busca de caminhos, selecionamos algumas informações, contidas no site da Divisão Estadual de Narcóticos do Paraná (http://www.denarc.pr.gov.br), um órgão da Polícia Civil. Confira os principais modelos de tratamento indicados pelos especialistas do Denarc, com base em literatura sobre o assunto.As Irmandades Anônimas (AA e NA) são grupos de ajuda – mútua ou auto-ajuda de Alcoólicos Anônimos e Narcóticos Anônimos – que atuam em âmbito mundial. Neles os dependentes, homens e mulheres, unem-se a fim de resolver seus problemas comuns e ajudar aos outros que ainda sofrem na recuperação das dependências, consideradas nesse universo como uma enfermidade, o alcoolismo ou a drogadição. O trabalho em conjunto, com pessoas que passam ou passaram pelo mesmo processo, ajuda muito, pois quebra barreiras preconceituosas e alia os tratamentos convencionais injetando afeto, experiências e compreensão – que muitas vezes passa longe da casa dos dependentes.O tratamento é baseado em “Doze Passos” e “Doze tradições”. São princípios, formulados pelo AA/NA, que guiam o indivíduo no processo de recuperação (Emrick, 1999). Segundo o site do Denarc “Esses passos e essas tradições enfatizam a perda de controle da pessoa com relação à substância e a entrega a um “poder superior”, o auto-exame, a busca de ajuda do poder superior de cada um para mudança do próprio eu, reparar males que tenham causado aos outros, a oração na luta pessoal e o oferecimento a outras pessoas de ajuda para que se empenhem num processo semelhante (De Leon 2004)”.Todo o processo aplicado nas reuniões tem um único objetivo: fazer com que o indivíduo caia em si em relação ao próprio problema. E para isso a disciplina permeada por processos e apoio é fundamental. Portanto, a meta explícita da participação regular nas reuniões nestas irmandades consiste em manter a sobriedade. Para tal, enfatiza-se a revelação da história pessoal, a compreensão do que estava envolvido no permanecer sóbrio e o uso do apoio do grupo para manter a sobriedade. Contudo, e é bom deixar evidente, o foco é a sobriedade. Como o processo passa por sessões de auto-revelação, muitas vezes cai-se no erro de aprofundar-se em mazelas pessoais que, por mais aceitas e respeitadas que sejam nas reuniões, não são o intuito final.Para mais informações, eis os sites do AA e do NA:http://www.alcoolicosanonimos.org.br/http://www.na.org.br/portal/