Tratamentos Para Dependência Química Cuiabá, Mato Grosso

Tratamentos Para Dependência Química em Cuiabá. Encontre telefones, endereços e informações sobre Tratamentos Para Dependência Química em Cuiabá e região. Leia o artigo abaixo para obter dicas, tutoriais e informações relevantes sobre Tratamentos Para Dependência Química.

Limiar Comunidade Terapêutica
(65) 3626-5572
Estv Estrada Velha da Guia
Cuiabá, Mato Grosso
 
Débora Blanco Canavarros
(65) 3322-0999
Av Gal Vale 321 s 1102
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Eliane M O Morgado
(65) 3624-9913
Rua Bérgamo 50
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Lúcia J Barros de Abreu
(65) 3642-2566
Av Hist Rubens Mendonça 1856 s 1404
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Stael C C S Oliveira
(65) 3322-4991
Rua Batista Neves 22 an 2 s 204
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Eliane Andreia Pessoa Nunes Guerra
(65) 3052-2939
Av Mal Deodoro 1312
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Socorro de Maria Ribeiro de Andrade
(65) 3321-5347
Rua Batista Neves 22 s 501
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Luiza R R Volpato
(65) 3624-8946
Av Isaac Póvoas 1251 an 10 s 1003
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Simone de Freitas Soares
Av Gal Vale 293
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Deise da Costa Marque
(65) 3623-0375
Rua Ten Cel Thogo S Pereira 255 s 302 an 3
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Psicologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamentos para Dependência Química

A dependência química é um problema que afeta toda a família. Um processo complicado para quem o enfrenta, seja por parte de quem sofre da dependência diretamente, fazendo uso de drogas (seja elas ilícitas ou lícitas), seja dos que estão em volta e que, muitas vezes, não compreendem ou aceitam o que se passa com o dependente. Essa não aceitação se dá por falta de conhecimento ou até mesmo por preconceito. Para tentar amenizar e até dar uma ajuda na busca de caminhos, selecionamos algumas informações, contidas no site da Divisão Estadual de Narcóticos do Paraná (http://www.denarc.pr.gov.br), um órgão da Polícia Civil. Confira os principais modelos de tratamento indicados pelos especialistas do Denarc, com base em literatura sobre o assunto.As Irmandades Anônimas (AA e NA) são grupos de ajuda – mútua ou auto-ajuda de Alcoólicos Anônimos e Narcóticos Anônimos – que atuam em âmbito mundial. Neles os dependentes, homens e mulheres, unem-se a fim de resolver seus problemas comuns e ajudar aos outros que ainda sofrem na recuperação das dependências, consideradas nesse universo como uma enfermidade, o alcoolismo ou a drogadição. O trabalho em conjunto, com pessoas que passam ou passaram pelo mesmo processo, ajuda muito, pois quebra barreiras preconceituosas e alia os tratamentos convencionais injetando afeto, experiências e compreensão – que muitas vezes passa longe da casa dos dependentes.O tratamento é baseado em “Doze Passos” e “Doze tradições”. São princípios, formulados pelo AA/NA, que guiam o indivíduo no processo de recuperação (Emrick, 1999). Segundo o site do Denarc “Esses passos e essas tradições enfatizam a perda de controle da pessoa com relação à substância e a entrega a um “poder superior”, o auto-exame, a busca de ajuda do poder superior de cada um para mudança do próprio eu, reparar males que tenham causado aos outros, a oração na luta pessoal e o oferecimento a outras pessoas de ajuda para que se empenhem num processo semelhante (De Leon 2004)”.Todo o processo aplicado nas reuniões tem um único objetivo: fazer com que o indivíduo caia em si em relação ao próprio problema. E para isso a disciplina permeada por processos e apoio é fundamental. Portanto, a meta explícita da participação regular nas reuniões nestas irmandades consiste em manter a sobriedade. Para tal, enfatiza-se a revelação da história pessoal, a compreensão do que estava envolvido no permanecer sóbrio e o uso do apoio do grupo para manter a sobriedade. Contudo, e é bom deixar evidente, o foco é a sobriedade. Como o processo passa por sessões de auto-revelação, muitas vezes cai-se no erro de aprofundar-se em mazelas pessoais que, por mais aceitas e respeitadas que sejam nas reuniões, não são o intuito final.Para mais informações, eis os sites do AA e do NA:http://www.alcoolicosanonimos.org.br/http://www.na.org.br/portal/